sexta-feira, 3 de dezembro de 2010

A Cigarra e a Formiga (Adaptado da obra de La Fontaine)

A Cigarra e a Formiga
(Adaptado da obra de La Fontaine)
Era uma vez uma cigarra que vivia saltitando e cantando pelo bosque, sem se preocupar com
o futuro. Esbarrando numa formiguinha, que carregava uma folha pesada, perguntou:
- Ei, formiguinha, para que todo esse trabalho? O verão é para gente aproveitar! O verão é
para gente se divertir!
- Não, não, não! Nós, formigas, não temos tempo para diversão. É preciso trabalhar agora para
guardar comida para o inverno.
Durante o verão, a cigarra continuou se divertindo e passeando por todo o bosque. Quando
tinha fome, era só pegar uma folha e comer.
Um belo dia, passou de novo perto da formiguinha carregando outra pesada folha.
A cigarra então aconselhou:
- Deixa esse trabalho para as outras! Vamos nos divertir. Vamos, formiguinha, vamos cantar!
Vamos dançar!
A formiguinha gostou da sugestão. Ela resolveu ver a vida que a cigarra levava e ficou
encantada. Resolveu viver também como sua amiga.
Mas, no dia seguinte, apareceu a rainha do formigueiro e, ao vê-la se divertindo, olhou feio
para ela e ordenou que voltasse ao trabalho. Tinha terminado a vidinha boa.
A rainha das formigas falou então para a cigarra:
- Se não mudar de vida, no inverno você há de se arrepender, cigarra! Vai passar fome e frio.
A cigarra nem ligou, fez uma reverência para rainha e comentou:
- Hum!! O inverno ainda está longe, querida!
Para a cigarra, o que importava era aproveitar a vida, e aproveitar o hoje, sem pensar no
amanhã. Para que construir um abrigo? Para que armazenar alimento? Pura perda de tempo.
Certo dia o inverno chegou, e a cigarra começou a tiritar de frio. Sentia seu corpo gelado e
não tinha o que comer. Desesperada, foi bater na casa da formiga.
Abrindo a porta, a formiga viu na sua frente a cigarra quase morta de frio.
Puxou-a para dentro, agasalhou-a e deu-lhe uma sopa bem quente e deliciosa.
Naquela hora, apareceu a rainha das formigas que disse à cigarra:
- No mundo das formigas, todos trabalham e se você quiser ficar conosco, cumpra o seu
dever: toque e cante para nós.
Para a cigarra e para as formigas, aquele foi o inverno mais feliz das suas vidas.
ATPS CICLO I – Alessandra Ap. Piva / Eunice Ap. dos Santos
VERSÃO  - A Cigarra e a Formiga
Fábula de ESOPO
Num belo dia de inverno as formigas estavam tendo o maior trabalho para secar suas
reservas de comida. Depois de uma chuvarada, os grãos tinham ficado molhados. De
repente aparece uma cigarra:
_Por favor, formiguinhas, me dêem um pouco de comida!
As formigas pararam de trabalhar, coisas que era contra seus princípios, e
perguntaram:
_Mas por quê? O que você fez durante o verão? Por acaso não se lembrou de guardar
comida para o inverno?
Falou a cigarra:
_Para falar a verdade, não tinha tempo. Passei o verão todo cantando!
Falaram as formigas:
_Bom... Se você passou o verão todo cantando, que tal passar o inverno dançando? E
voltaram para o trabalho dando risadas.
Moral da história:
Os pregiçosos colhem o que merecem.
VERSÃO  - A CIGARRA E A FORMIGA (La Fontaine)
A cigarra, sem pensar em guardar,
a cantar passou o verão.
Eis que chega o inverno, e então,
sem provisão na despensa,
como saída, ela pensa
em recorrer a uma amiga:
sua vizinha, a formiga,
pedindo a ela, emprestado,
algum grão, qualquer bocado,
até o bom tempo voltar.
"Antes de agosto chegar,
pode estar certa a senhora:
pago com juros, sem mora."
Obsequiosa, certamente,
a formiga não seria.
"Que fizeste até outro dia?"
perguntou à imprevidente.
"Eu cantava, sim, Senhora,
noite e dia, sem tristeza."
"Tu cantavas? Que beleza!
Muito bem: pois dança agora..."
Do livro Fábulas de La Fontaine, 1992.

VERSÃO  - A CIGARRA E A FORMIGA (A FORMIGA BOA) (Monteiro Lobato)
Houve uma jovem cigarra que tinha o costume de chiar ao pé do formigueiro. Só parava
quando cansadinha; e seu divertimento era observar as formigas na eterna faina de abastecer
as tulhas.
Mas o bom tempo afinal passou e vieram as chuvas. Os animais todos, arrepiados, passavam o
dia cochilando nas tocas.
A pobre cigarra, sem abrigo em seu galhinho seco e metida em grandes apuros, deliberou
socorrer-se de alguém.
Manquitolando, com uma asa a arrastar, lá se dirigiu para o formigueiro. Bateu – tique, tique,
tique...
Aparece uma formiga friorenta, embrulhada num xalinho de paina.
- Que quer? – perguntou, examinando a triste mendiga suja de lama e a tossir.
- Venho em busca de agasalho. O mau tempo não cessa e eu...
A formiga olhou-a de alto a baixo.
- E que fez durante o bom tempo que não construiu a sua casa?
A pobre cigarra, toda tremendo, respondeu depois dum acesso de tosse.
- Eu cantava, bem sabe...
- Ah!... exclamou a formiga recordando-se. Era você então que cantava nessa árvore enquanto
nós labutávamos para encher as tulhas?
- Isso mesmo, era eu...
Pois entre, amiguinha! Nunca poderemos esquecer as boas horas que sua cantoria nos
proporcionou. Aquele chiado nos distraía e aliviava o trabalho. Dizíamos sempre: que
felicidade ter como vizinha tão gentil cantora! Entre, amiga, que aqui terá cama e mesa
durante todo o mau tempo.
A cigarra entrou, sarou da tosse e voltou a ser a alegre cantora dos dias de sol.
Do livro Fábulas, Monteiro Lobato, 1994.
TEXTO INFORMATIVO
O formigueiro
As formigas são animais sociais, que vivem em grandes formigueiros. Estes se dividem
normalmente nas seguintes castas: as rainhas (fêmeas reprodutoras); os machos; e as
formigas trabalhadoras (fêmeas não reprodutoras). Embora existam grandes variações em
estrutura social entre diferentes formigueiros, certas características básicas são comuns à
maioria das espécies.
O que é um inseto social?
Formigas, cupins, muitas abelhas e algumas vespas têm verdadeiras vidas familiares. Vivem
em comunidade e os membros da comunidade dependem uns dos outros.
Existem mais de um milhão de espécies, ou tipos de insetos no mundo. Entre eles estão os
besouros, grilos, borboletas e moscas. Há insetos de muitas formas, tamanhos e cores
diferentes. Mas existem algumas coisas que todos os insetos têm em comum. Todos eles têm
seis pernas e corpos que se dividem em três partes principais. Todos eles têm coberturas
duras, como cascas, sobre seus corpos. E a maioria, mas não todos, tem asas.
Formigas, cupins, abelhas e vespas podem se parecer muito com esses outros insetos. Mas,
como insetos sociais, levam vidas muito distintas.
Por que as formigas são insetos sociais?
As formigas são insetos sociais porque vivem e trabalham juntas em comunidades. Aqui, elas
se alimentam e protegem umas às outras. Criam e cuidam de seus filhotes. Essa forma de
vida difere muito da adotada pelos insetos solitários, que passam a maioria, ou
ocasionalmente, todas as suas vidas sozinhos.
Uma comunidade de formigas é conhecida como formigueiro. A vida em um formigueiro é
altamente organizada. Cada membro tem uma função a cumprir, de colocar ovos a reunir
alimentos, e lutar.
Para a maioria das formigas, a vida do formigueiro tem por centro o ninho. O ninho pode ser

subterrâneo; estar localizado em um monte de terra; ou até mesmo no topo de uma árvore.
Quando as formigas constroem um ninho, a terra empilhada em torno da entrada forma um
formigueiro. Um formigueiro é um lugar muito ativo, e pode ser muito lotado. Podem existir
centenas, milhares ou até milhões de formigas em um mesmo formigueiro.
Castas sociais
Alguns formigueiros têm uma rainha; outros têm diversas; as rainhas são alimentadas e
atendidas em outras necessidades pelas trabalhadoras. A única função dos machos é o
acasalamento com as rainhas.
As trabalhadoras executam tarefas como ampliar e proteger o ninho, cuidar das rainhas e dos
filhotes e obter provisões. Pode existir apenas um tipo de trabalhadora ou tipos diversos, com
estruturas corporais especializadas para determinadas formas de trabalho. A atividade das
trabalhadoras é coordenada em larga medida por feromônios e contato corporal.
Dependendo da espécie, rainhas vivem entre cinco e 30 anos, o que as torna os insetos mais
longevos. As trabalhadoras vivem entre um e três anos. Os machos só vivem por uma
temporada de acasalamento.
Quem é quem no formigueiro
Como a maioria dos insetos sociais, as formigas têm três castas, ou classes. Há as formigasrainhas,
as trabalhadoras e os machos. Uma rainha não governa o formigueiro, mas é um
membro importante. Ela só tem uma função – pôr ovos. Sem ela, o formigueiro morre. A razão
é que, na maioria das espécies de formigas, apenas as rainhas são capazes de se reproduzir.
Também têm a vida mais longa -10 a 20 anos. Um formigueiro pode ter uma ou mais rainhas.
Um formigueiro de formigas da madeira europeia pode ter centenas de rainhas, por exemplo.
As formigas trabalhadoras podem ser as menores, mas fazem a maior parte do trabalho.
Todas são fêmeas. Cuidam da rainha e dos filhotes. As trabalhadoras constroem e reparam o
ninho. Procuram comida e enfrentam inimigos. A maioria dos machos vive apenas algumas
semanas ou anos. Eles não trabalham e morrem pouco depois de copular com as jovens
rainhas.
Qual é a aparência de um ninho de formigas?
A maioria das espécies de formigas constrói ninhos subterrâneos. As trabalhadoras escavam
túneis e câmaras, ou salas, na terra. À medida que o formigueiro cresce, elas acrescentam
mais túneis e câmaras ao ninho.
Os formigueiros podem ser bastante grandes. Algumas formigas tropicais constroem para
baixo, para aumentar o espaço. Os formigueiros podem se estender por seis metros no
subsolo. Outras, como as formigas da madeira europeia, constroem para cima. Fazem grandes
montes de terra que podem atingir 1,5 metro de altura. Depois, elas conectam os montes com
trilhas odoríferas. O grupo de ninhos pode cobrir uma área de tamanho semelhante ao de uma
quadra de tênis. Milhões de formigas podem viver nesses formigueiros.
As câmaras em um ninho têm funções diferentes. A rainha tem uma câmara própria para
colocar ovos. Algumas câmaras servem de berçários aos filhotes. Há câmaras para armazenar
alimentos. Outras câmaras servem de local de repouso às trabalhadoras esforçadas!

Criando um formigueiro
Em geral uma vez por ano, um formigueiro produz uma geração de rainhas e machos. As
rainhas se desenvolvem de larvas alimentadas com uma substância altamente nutritiva
excretada pelas trabalhadoras. Os machos se desenvolvem de ovos não fertilizados.
As rainhas e machos têm asas; eles deixam o ninho em uma série de grandes enxames,
conhecidos como voos nupciais. Cada enxame consiste ou só de rainhas ou só de machos. As
formigas viajam para outras áreas a fim de se acasalar com formigas de outros formigueiros.
Os machos morrem depois do voo. As rainhas caem ao chão, soltam as asas e procuram por
um lugar para pôr ovos. Depois de uma única cópula, uma rainha pode pôr ovos fertilizados
por diversos anos. Os ovos não fertilizados em geral são postos em algum momento da
primavera ou verão. Os ovos se desenvolvem na forma de larvas, as larvas se tornam pupas e
as pupas se tornam formigas adultas - processo conhecido como metamorfose completa.
A rainha cuida da sua primeira ninhada de crias quando elas ainda são larvas e pupas. Essa
geração consiste apenas de trabalhadoras, que em seguida assumem os deveres de cuidar da
rainha e das ninhadas subsequentes.
Como uma formiga rainha dá início a um formigueiro?
A maioria das espécies de formigas começa um formigueiro da mesma maneira. Uma formiga
rainha nasce em um formigueiro mas o deixa para formar nova comunidade. À medida que as
jovens rainhas crescem, elas desenvolvem asas. Algumas semanas depois de se tornarem
adultas, as jovens rainhas deixam seus ninhos e se acasalam com machos também alados. As
rainhas então soltam suas asas e começam a procurar locais para ninhos.
Quando uma jovem rainha encontra um bom local para um ninho, ela constrói uma câmara e
se sela em seu interior. Depois, começa a pôr ovos. A rainha cuida dos ovos, que se
desenvolvem em forma de larvas e em seguida pupas. Ela alimenta os filhotes com sua saliva.
Durante esse período, ela mesma não come. Seu corpo absorve como alimento os músculos
das asas que se tornaram desnecessários.
Os ovos se desenvolvem na forma de pequenas formigas trabalhadoras. Algumas dessas
trabalhadoras deixam o ninho para encontrar alimentos para a colônia. Outras ampliam o
ninho. A rainha põe mais ovos. A maioria destes se desenvolve na forma de trabalhadoras.
Outros se desenvolvem como machos e rainhas jovens.
O que fazem as formigas trabalhadoras?
As formigas trabalhadoras trabalham e trabalham, arduamente. Todas são fêmeas. Mas
raramente se tornam rainhas ou se reproduzem. Em lugar disso, cuidam das rainhas, dos
filhotes e do ninho. Sem as trabalhadoras, um formigueiro não poderia sobreviver.
Elas podem executar uma ou diversas funções. Podem manter o mesmo posto por toda a vida
ou mudar de emprego ocasionalmente. Algumas trabalhadoras recolhem alimentos para o
formigueiro. Armazenam a comida que colhem em câmaras especiais no ninho. Outras
trabalhadoras alimentam e cuidam da rainha e dos filhotes em desenvolvimento. Ainda outras
constroem as câmaras e túneis. Usam sua saliva para endurecer as paredes de terra do
formigueiro.
Algumas das formigas trabalhadoras são soldados. Defendem o formigueiro. Em muitas
espécies, as formigas soldado são maiores que as demais trabalhadoras. Elas combatem
formigas ou outros insetos inimigos. Também podem usar suas grandes cabeças para
bloquear a entrada de um ninho.
Quem cuida dos ovos?
As formigas passam por quatro diferentes estágios de crescimento: ovo, larva, pupa e formiga
adulta. As trabalhadoras cuidam dos filhotes em cada estágio.
Depois que uma rainha põe ovos, as trabalhadoras os transportam às câmaras de chocagem.
Lá, elas cuidam dos ovos e muitas vezes os mantêm limpos com lambidas. Em poucos dias os

ovos geram larvas. No estágio de larva, as formiguinhas se parecem com minúsculos vermes
brancos.
As formigas trabalhadoras transportam as larvas para novas câmaras e as alimentam por
algumas semanas até que se tornem pupas. Em algumas espécies, as larvas tecem casulos
antes de se tornarem pupas. Em outras, as pupas estão recobertas apenas por uma pele fina e
transparente. As pupas não comem ou se movem. Mas mudam. Em duas ou três semanas, as
formigas adultas saem dos casulos ou da pele. Agora, estão prontas para trabalhar!
Como as formigas reconhecem umas às outras?
As formigas de um formigueiro tem um odor especial que as ajuda a reconhecer umas às
outras. As forasteiras ou inimigas têm odores diferentes. As formigas soldado farejam esses
invasores e os matam.
As formigas não têm ouvidos. “Ouvem” vibrações por meio de seus órgãos sensórios. As
antenas da formiga são seu órgão sensório mais importante. As formigas usam as antenas
para cheirar, tocar, saborear e ouvir. É fácil compreender por que as antenas de uma formiga
estão sempre se mexendo. As antenas ajudam as formigas a encontrar e provar comida.
Ajudam-nas a reconhecer e tocar umas às outras. As antenas até ajudam as formigas a
encontrar o caminho que procuram.
A maioria das formigas dispõe de dois olhos compostos. Um olho composto tem diversas
lentes (o olho humano só tem uma lente.) Por causa das lentes compostas, as formigas veem
as coisas em fragmentos, como em um caleidoscópio. Elas são melhores em perceber
movimentos do que em perceber formas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário