quarta-feira, 12 de janeiro de 2011

PEDRO MALASARTE FAZ O URUBU FALAR

PEDRO MALASARTE FAZ O URUBU FALAR

Pedro Malasarte, certo dia, largou a casa do pai, indo correr mundo. Logo no primeiro dia encontrou um urubu com uma asa quebrada, batendo-se no meio da estrada. Agarrou o urubu e meteu-o dentro de um saco, seguindo caminho.
Ao anoitecer, estava diante de uma casa grande e bonita, alpendrada. Pela janela viu uma mulher guardando vários pratos de comidas saborosas e garrafas de vinho. Observou atentamente tudo o que a mulher guardava e onde guardava. Bateu e pediu abrigo, mas a mulher recusou, dizendo que o marido não estava em casa e ficava feio ter um homem de portas a dentro.
Malasarte foi para debaixo de uma árvore e, logo depois, reparou na chegada de um rapaz ainda moço, recebido com agrados pela dona da casa que o levou imediatamente para jantar. Iam os dois começando a refeição quando o dono da casa, o marido da tal mulher, apareceu montado num cavalo alazão. O rapaz largou o jantar, pulou uma janela e fugiu. A mulher, rapidamente, fez com que a comida desaparecesse dentro dos armários e foi receber o marido.
Malasarte esperou que o dono da casa mudasse os trajes e tornou a bater e pedir dormida. O dono apareceu, mandou-o entrar, lavar as mãos e convidou-o para jantar com ele.
A comida que apareceu era outra, bem pobre e malfeita. Malasarte, sempre com o urubu dentro do saco, deu-lhe com o pé, fazendo-o roncar, e começou a falar baixinho, como se estivesse discutindo.
 – Com quem está falando? – perguntou o dono da casa.
– Com esse urubu. Sim senhor, falando e adivinhando. Esse urubu é ensinado a adivinhar.
– Um urubu que fala? Impossível! Mas... se esse aí resolveu falar, diga-me: o que ele está adivinhando agora?
– Está me dizendo que naquele armário há um peru assado, arroz de forno, bolo de milho e três garrafas de vinho.
– Não me diga ... Procura aí, mulher!
A mulher procurou e, fingindo-se assombrada pela surpresa, encontrou tudo quanto anunciara “o urubu” e trouxe os pratos e o vinho para a mesa. Comeram fartamente e o dono quis porque quis comprar o urubu. Pela manhã Malasarte, muito contrariado, aceitou o dinheiro alto e foi embora, deixando o urubu que nunca mais adivinhou coisa alguma.

Fonte: http://mundoeseussegredos.blogspot.com/2007/09/seis-aventuras-de-pedro-malazarte.html - texto adaptado

1)     Por que o rapaz que jantava com a mulher pulou a janela e fugiu no momento em que o marido dela chegava em casa?




O rapaz não podia ser visto pelo marido, já que era uma espécie de namorado da mulher. A mulher estava traindo o marido e não queria que o marido soubesse de nada.

2)     Malasarte vendeu o seu urubu para o dono da casa.

a)     Por que o dono da casa quis comprar o urubu?
O dono quis comprar o urubu pois julgava que a ave soubesse adivinhar.

b)     Como Malasarte fez com que um urubu de asa quebrada se tornasse tão valioso?
Malasarte fez as pessoas acreditarem que o seu urubu era capaz de adivinhar as coisas.

c)     Malasarte ficou realmente contrariado por vender o urubu? Explique.

Na verdade, Malasarte ficou extremamente satisfeito com o “negócio” que fez: vendeu um urubu de asa quebrada por um bom dinheiro. No entanto, ele precisava mostrar-se contrariado para que o comprador acreditasse que, de fato, ele estava comprando uma mercadoria preciosa, valiosa.

3)     Por que o urubu não adivinhou mais nada, depois que Malasarte foi embora?
O urubu, na verdade, não adivinhava nada. Tudo foi uma armação de Malasarte. Depois que Malasarte foi embora, o urubu continuou agindo como sempre agia: como um urubu.
4)     a- Quem são os personagens desse conto?
Os personagens do conto são: Pedro Malasarte, a dona da casa, o namorado da dona da casa e o marido da dona da casa. (Professor(a), é possível que as crianças apontem o urubu como um personagem, o que pode ser considerado.)


b-     Escreva um parágrafo, descrevendo um dos personagens. Para isso, observe os dados que aparecem na história (o modo de agir, o “papel” que ocupa).
Resposta pessoal: Algumas sugestões...
Pedro Malasarte: Pedro é um matuto muito esperto, que passa todo mundo para trás. Ele observa tudo atentamente e cria formas de enganar as pessoas.

A mulher: A mulher era uma esposa infiel e era fingida. Ela aproveitava a ausência do marido para encontrar-se com seu namorado. Ela não era uma pessoa generosa: fazia comidas gostosas apenas para si e para o namorado.

O namorado da mulher era um covarde que sabia que aquela mulher era casada e concordava com a infidelidade.

O marido era um homem generoso, pois recebeu Pedro Malasarte. Era também um tanto ingênuo, já que acreditou que um urubu pudesse adivinhar alguma coisa e não desconfiava de sua mulher infiel.

5)     Numere os fatos a seguir, de acordo com a ordem cronológica dos acontecimentos na história.

(  4  )  A mulher prepara deliciosas comidas e as esconde.

(  2  )   Malasarte chega a uma casa e pede abrigo para a dona da casa.

(  7  )   O marido da dona da casa chega e o rapaz que está jantando foge pela janela.

(  5  )   Malasarte observa tudo o que a mulher guarda e onde guarda.

(  3  )   A mulher não dá abrigo a Malasarte.

(  1  )   Malasarte encontra um urubu e o coloca num saco.

(  10  )   O marido da mulher compra o urubu de Pedro Malasarte.

(  8  )   Malasarte é recebido pelo dono da casa que o convida para jantar.

(  9  )  Malasarte revela onde estão escondidas as comidas gostosas e diz que seu urubu é quem adivinha tudo.

(  6  )   Um rapaz chega e é convidado pela dona da casa para entrar e jantar.


Professor(a), as questões a seguir foram construídas de modo a cercar a possibilidade de as crianças registrarem respostas sem deixar claro o que ela está considerando como um substantivo próprio. As letras A e B de cada uma delas pode receber as mesmas respostas, mas a letra B solicita especificamente a identificação dos substantivos utilizados.

6)     A- Qual dos personagens é “nomeado”, no conto, por meio de substantivo próprio?
O personagem nomeado por meio de substantivo próprio é o personagem principal: Pedro Malasarte.

 B- Que substantivo próprio foi utilizado para nomear esse personagem?
O autor utiliza os substantivos Pedro Malasarte e Malasarte.

7)     A- Quais dos personagens são “nomeados” por meio de substantivos comuns? Cite dois. Resposta pessoal. Algumas possibilidades: o marido, a mulher, o namorado da mulher.

B- Que substantivos foram utilizados para nomear esses personagens?
A mulher: DONA DA CASA, MULHER
O marido: DONO DA CASA, MARIDO, DONO
O namorado da mulher: RAPAZ

8)     As palavras a seguir são derivadas de outras. Em cada caso, identifique a palavra de origem, o sufixo ou prefixo que foi usado para formar a palavra derivada e o sentido que esses “pedaços significativos” agregaram nas novas palavras formadas. Depois, dê exemplo de mais três palavras formadas com o mesmo sufixo/prefixo.


a)     DESAPARECER:
Palavra de origem:  APARECER
( x ) prefixo   (   )  sufixo   : DES
Sentido do prefixo/sufixo: O sentido de negação.
Outras palavras: Resposta pessoal. Algumas possibilidades...
DESIGUAL, DESCONGELAR, DESCANSAR




b)     IMPOSSÍVEL:
Palavra de origem: POSSÍVEL
( X  ) prefixo   (   )  sufixo   : IM/IN (Professor(a), a forma do prefixo varia para atender a uma convenção ortográfica, mas trata-se do mesmo prefixo.)
Sentido do prefixo/sufixo: O sentido de negação.

Outras palavras: IMPRESTÁVEL, INFELIZ, INCONSTANTE.

9)     Em qual das frases a palavra DOENTE “comporta-se” como um substantivo?

(  X  )   O DOENTE FOI PARAR NO HOSPITAL.

(       )   O MENINO DOENTE FOI PARAR NO HOSPITAL.

Explique sua escolha.
A palavra DOENTE, na primeira frase, está nomeando a pessoa que está doente. Além disso, a palavra está sendo modificada pelo artigo O. Na segunda frase, a palavra DOENTE está modificando o substantivo MENINO, atribuindo-lhe uma característica.

Nenhum comentário:

Postar um comentário