segunda-feira, 28 de março de 2011

COMO BRINCAR COM AS NOSSAS CRIANÇAS...

COMO BRINCAR COM AS NOSSAS CRIANÇAS...


Jogos, brincadeiras e atividades lúdicas.






INTRODUÇÃO


Que legal, a brincadeira já vai começar...
Quem quer brincar comigo, põe o dedo aqui, que já vai fechar e não adianta cho-cho-chorar!
Que bom que você não quis ficar de fora dessa divertida e gostosa brincadeira.
O mundo seria muito mais interessante se pudéssemos brincar mais. Eu particularmente
ADORO brincar...
Foi pensando em cultivar, incentivar e mostrar a importância do brincar, que elaborei esse curso
e essa apostila.
Espero sinceramente que você saia daqui com uma enorme vontade de brincar...


Então vamos lá, um, dois três e já, quem chegar por último é a mulher do sapo...


Por que brincar?


Porque brincar é ação, é movimento.


Porque brincando a gente se desenvolve, vive, cresce e ama melhor!


A atividade lúdica é importante para o ser humano em qualquer idade, mas é primordial e
essencial na infância. A criança tem a necessidade de agir em relação ao mundo e no jogo e na
brincadeira ela é desafiada a indagar, questionar, transformar e desvendar a própria realidade.
Partilhando as brincadeiras com outras crianças tem oportunidade de viver diferentes emoções,
afetos, rupturas, trocas, aproximações. Aprende a dividir, a perder e a ganhar, a lidar com sua
ansiedade, seus medos e suas angústias.


As crianças precisam ser estimuladas a ter oportunidades diferentes de pensar, refletir, agir,
discutir, criar e imaginar. Por essa razão,


BRINCAR É PRECISO!

Espero que você descubra isso também.

1. MEU AMIGO MACACO
Para realizar essa dinâmica ficaremos em roda.
Por que em roda?
Porque a roda privilegia as atividades em grupo, por permitir igualdade de condições de espaço,
audição e visão para todos os seus elementos. A roda favorece a fluência das ações que a
atividade envolve.


Desenvolvimento:
Jogar o amigo macaco, quem pegar deve dizer o nome e fazer uma frase que rime com o nome,
como exemplo :


 “Meu nome é Gabriela e hoje eu vi uma flor amarela!”


2



Cada pessoa, num grupo (seja ele qual for), dispõe de um patrimônio de experiências. É muito
útil para todos que se promova comunicação, respeito e intercâmbio das mesmas. Eu posso
ensinar e aprender muito com os outros.

2.
BATATA QUENTE DEFERENTE
Desenvolvimento:

Fazer pelo menos três grupos e cada grupo ganha uma bola de cor diferente. Ao som de uma
música agitada todos deverão passar a bola de maneiras diferentes (rodando, “quicando” no
chão, jogando...), quando parar a música quem estiver com a bola, muda de grupo.

Lembre-se que o jogo e a brincadeira existem também para alegrar a vida, brinque só por
brincar!!! E esqueça, de vez em quando, as “atividades de escola”.

3. BOLA PRA CIMA
Criança que brinca é criança sadia!
Desenvolvimento:
Em roda, cada participante com uma bola, andando no sentido da roda, todos no mesmo ritmo,
jogando a bola para cima e batendo palma uma vez, ao sinal TROCA, todos devem jogar a bola
para cima e pegar imediatamente a bola do participante da frente.

4. PULAR CORDA
“Pular corda é um “santo remédio” para as crianças. A corda em movimento faz com que a
criança se adapte fortemente ao ritmo do movimento. Quem não se adaptar a esse ritmo, não
consegue pular corretamente. Alem disso é um brinquedo que proporciona grande alegria na
alma das crianças que querem pular sempre mais e mais.” (Rudolf Kischnick)


Para a brincadeira de corda ficar ainda mais divertida, falamos e cantamos algumas Ladainhas
durante a brincadeira.


Ladainha:
Um homem bateu em minha porta,
E eu abri:
Senhoras e Senhores
Põe a mão no chão,
Senhoras e Senhores
Pule num pé só,
Senhoras e Senhores
Dê uma rodadinha e
Vá pro olho da rua...


Essas brincadeiras com cordas exigem das crianças elaborações de ordem cognitiva e motora e
garantem a situação lúdica, seria muito bom se estivessem presentes todos os dias na rotina das
escolas.
Crianças de todas as idades podem e devem brincar com cordas, os menores podem fazer a
brincadeira da COBRINHA, onde duas crianças seguram a corda, cada uma em uma ponta e
realizam movimentos sinuosos imitando o movimento de uma cobra, as demais crianças devem
tentar pular a corda sem pisá-la, não esquecer de trocar sempre as crianças que estão
segurando a corda e dar oportunidade igual à todas.
Rasteirinha...Colocar as crianças em círculo, um adulto no centro girando uma corda e todos
devem pular, sem deixar que a corda encoste na perna ou nos pés. A pessoa que segura a
corda deve ter atenção para não machucar as demais e sempre rodá-la baixinho bem próxima
do chão.
Outra sugestão é o AUMENTA
– AUMENTA, as crianças iniciam a brincadeira saltando a corda
esticada no chão, após todas saltarem, a altura da corda deverá ser aumentada gradativamente,
até chegar a uma altura onde elas não consigam mais pular (a corda deverá ser segurada
levemente para que se alguém enroscar o pé, ou a perna na hora de pular, não caia, somente
faça escapar a corda da mão de quem está segurando), a partir daí elas deverão passa por
baixo da corda, e esta deverá ser abaixada gradativamente, mas atenção, passar por baixo da
corda curvando o corpo para trás não é nada saudável.
Quando pulamos corda trabalhamos equilíbrio, concentração e animação.


Ladainha:
Suco gelado, cabelo arrepiado,
Qual a letra do seu namorado?
A, B, C, D...(até a errar)


Esticar a corda no chão, pedir para as crianças andarem sobre ela se equilibrando sem cair,
orientar para que abram os braços e assim facilite o equilíbrio.
Para uma criança aprender a pular corda é preciso um pouco de paciência, é importante explicar
para ela os cuidados que deve ter ao passar atrás ou na frente da corda, atenção para não bater
a corda no rosto, não enganchar o pé... O mais importante é dar a oportunidade de experimentar
e tentar até conseguir, encoraje-a, mostre como é saudável e divertida essa brincadeira tão
antiga.


Ladainha:
Entra filhinho que está chovendo
(as crianças entram na corda em movimento)
Sai filhinho que já parou
(as crianças saem da corda em movimento)


Ladainha:
Batalhão, lhão, lhão
Quem não entra é um bobão
Abacaxi, xi, xi
Quem não sai é um saci



Ladainha:
Com quem você vai casar?
Loiro, moreno, careca cabeludo,
Rei, ladrão, soldado ou capitão?


Para a brincadeira esquentar, as crianças maiores já são capazes de brincar assim:


Ladainha:
Salada, saladinha,
Bem temperadinha,
Sal, pimenta, fogo, foguinho...


5. ENROLA A BOLA
Desenvolvimento:

Para essa atividade vamos precisar de uma corda grande, uma bola feita de revista e fita crepe e
um pedaço de barbante. Prender a bola no barbante e amarrar o barbante no meio da corda. Em
dupla cada participante prende a corda na cintura e juntos tentam enrolar e desenrolar a bolinha
do meio da corda. Precisa haver muita concentração e trabalho em equipe.

Essa brincadeira é bem divertida e provoca muitos risos !!!

Como é gostoso brincar junto com alguém !!!

O gosto pela atividade lúdica não é exclusivo da criança. Ele se mantém vivo na adolescência, e
continua, com características diversas, pela vida toda.

6. NUNCA TRÊS
Para a brincadeira acontecer, é preciso respeitar regras e esperar a sua vez, o que representa
um grande desafio para as criança, principalmente as de idade pré escolar.

Desenvolvimento:

Todos os participantes sentados espalhados pelo chão, um será escolhido para ser o gato e
outro para ser rato. O gato deverá perseguir o rato e o rato por sua vez deverá encostar a mão
na cabeça de qualquer participante para se salvar do gato, ao encostar a mão ele senta no lugar
do participante, o mesmo levanta e se torna GATO e vai perseguir o antigo rato que nesse
momento vira o RATO e assim sucessivamente um vai se colocando no lugar do outro.
Essa brincadeira ajuda a perceber e a respeitar o outro e descobrir limites do próprio corpo no
espaço.

Fique atento(a) para que todos tenham a oportunidade de brincar.



A brincadeira possibilita ricas vivências, onde cada criança cresce percebendo que é
indispensável ao grupo e tem sua merecida importância perante aos demais.

7. LOBISOMEM QUE HORAS SÃO?
Brincar é um processo ativo, o mundo não é somente imitado, mas também modificado. Brincar
é uma combinação de realidade e fantasia...


Desenvolvimento:


Um participante é escolhido para ser o Lobisomem que fica bem distante dos demais e virado de
costas. Os outros participantes ficam em uma área delimitada por uma linha e perguntam:


_Lobisomem que horas são?
O Lobisomem responde:
_ 4 horas (todos devem dar 4 passos)
Quando o Lobisomem responde HORA DE COMER ! vira-se e tenta pegar os participantes, mas
deve respeitar a marcação do começo, quem for pego vira lobisomem também e ajuda a pegar
os outros.


È uma das brincadeiras favoritas das crianças de 4 e 5 anos.


8.
SALVE-SE COM UM ABRAÇO
Desenvolvimento:
Esse jogo é um pega-pega diferente, quem for pego se congela e pode ser salvo com um
abraço.
“A situação ideal de aprendizado é aquela em que a atividade é de tal modo significativa que
aquele que aprende a considera como um trabalho e como um jogo”. (Constance Kamii)


9. BATATINHA FRITA .1. 2. 3
Desenvolvimento:

Uma pessoa fica de costas para todos os participantes numa distância bem grande e grita
Batatinha frita 1, 2, 3, enquanto ela vai falando todos vão andando para alcançá-la, quando ela
fala 3, vira-se e todos viram estátuas, quem se mexer volta para o início do jogo, vence quem
chegar primeiro.

Não pode desobedecer as regras, é no jogo e na brincadeira que a criança compreende que no
seu dia a dia, também existem regras e normas a serem cumpridas e obedecidas, ela descobre
isso de maneira lúdica e agradável



“Vivendo e aprendendo a jogar, ou jogando e aprendendo a viver?”

10. MARÉ
Desenvolvimento:

Esse jogo é uma variação do Lobisomem. O Pescador fica falando _A maré vai subindo,
subindo, subindo e quando vira e fala desceu... tenta pegar os peixes.
Esse jogo é extremamente divertido, seria ideal para se brincar em uma quadra e com um
espaço bem grande entre o “pescador” e os “peixes”.
É indicado para crianças de qualquer idade e até jovens e adultos se divertem bastante com ele.
Evite possíveis acidentes, observe se o local onde a atividade vai ser desenvolvida é seguro, não
oferecendo riscos de acidente aos participantes.


11.
Música – QUERO VER QUEM PEGA
Quero ver quem pega
Quero ver quem pega
Quero ver quem pega o sapato do colega
(o nariz, a mão, a barriga...)

12.
Música - EU FICO SEMPRE MEXENDO
Eu ponho as mãos pra frente,
Eu ponho as mãos pra trás,
Eu ponho as mãos pra frente,
Eu fico sempre mexendo...
Mexe, mexe, mexe Uh!
Mexe, mexe, mexe Uh!
Oh! Meu grande amor !


(Os pés, a cabeça, o bumbum, a barriga, os joelhos, cotovelos, ombros, língua...)


É preciso reconhecer nos jogos e brincadeiras, um espaço de investigação e construção de
conhecimento, sobre diferentes aspectos do meio social e cultural em que as crianças vivem
A brincadeira expressa a forma como uma criança reflete, ordena, organiza, constrói o mundo a
sua maneira.


É na brincadeira que a criança expressa o que tem dificuldade de colocar em palavras.


13. PEREQUETÊ
Perequetê
Perequetê
Perequetenga, tenga, tenga



CRIANÇAS são CRIANÇAS, devem se vestir como crianças, dançar como crianças e brincar
como crianças!

14. TELEFONE SEM FIO CORPORAL
Desenvolvimento:

Sentados em fila (um atrás do outro) o último faz um desenho com as mãos nas costa da pessoa
da frente e esse vai passando o mesmo desenho para frente até chegar no primeiro da fila que
faz o desenho no ar.

Variações: de olhos vendados desenhar ou escrever em outras partes do corpo (mãos, pernas,
braços...)

15. DOGODOGO
Dogodogo Didi
Dogodogo Dedé
Dogo DI
Dogo Dé
Dogo Di Dé

16. BAGALADÀ
Bagaladá a varinha mágica
Plim Plim Plim Plim
Você fica assim !!!

Essa brincadeira é uma variação da brincadeira de estátua, canta-se a música e ao final as
crianças deverão ficar como estátua seguindo a ordem de quem está comandando, com ex:
todos devem fazer uma estátua triste, alegra, pose pra foto...

Se o “jogo da vida” dependesse mais dos pequenos do que dos adultos, talvez houvesse mais
verde, mais esperança, mais risada, mais vida.

17.
MÚSICA - ABRA A RODA TINDOLELE
Abra roda tindolele...
E vai andando tindolele..
E bate palma tindolele...
Me dê sua mão tindolele...
Requebradinha tidolele...
E de trenzinho tindolele...
De marcha ré tidolele...
Bem baixinho tindolele...


18. ARATATA
Aratata, Aratata
Guli Guli Guli Guli
Aratata
Aue aue
Guli Guli Guli Guli
Aratata

Adultos seremos por muito tempo, pelo menos assim esperamos, mas quando podemos ser um
pouco criança em nossa sociedade? Nem mesmo as crianças estão tendo essa chance! Brincar
é extremamente importante na construção do conhecimento. É assim que ficamos mais
inteligentes, através das experiências e das vivências de brincadeiras sadias em nossa infância.
Isso tudo influi no modo de enxergar o mundo, a vida, e na maneira de ser.

19. MORTO, VIVO, PIPOCA PRESSÃO
Morto (agacha ou bate na perna)
Vivo (braço para o alto)
Pipoca (pula abre os braços e pernas e grita pá)
Pressão (coloca os braços para cima e grita uuuuuuuuuu girando)


Quem tem uma infância bem vivida, quem brinca muito, e consegue ser criança mesmo, vai ser
com certeza um adulto muito mais tranqüilo.


20. ATENÇÂO CONCENTRAÇÂO
Atenção, concentração, ritmo, vai começar, já começou, fale o nome de uma fruta...

A imaginação está sendo “podada”, sufocada, substituída por “coisas” rápidas, modernas e
prontas, onde o pensar, o imaginar, o brincar não tem mais espaço e nem a importância devida.
Temos que mudar isso, resgatar as brincadeiras de antigamente, cantigas de gerações
passadas, é nosso dever e se faz necessário trazer a tona um universo que está quase em
extinção.

21.
BATE MONJOLO
Bate Monjolo no pilão
Pega a Mandioca pra fazer farinha
Onde foi parar meu tostão?
Ele foi para a vizinha!


Brincar com as mãos como no adoletá, só que todos em sintonia, no mesmo ritmo. Podemos
colocar uma balinha na mão de cada participante para ficar mais empolgante a brincadeira.


22.
PROCURANDO UM PAR (Provérbios)
Nesse jogo trabalhamos o companheirismo, a rapidez, a coordenação motora, a união e muito
mais. É uma brincadeira muito divertida e poderá ser repetida várias vezes no mesmo dia. Boa
diversão!


Desenvolvimento:


Coloca-se pedaços de papéis misturados com provérbios divididos em duas partes (quem tudo
quer... nada tem), os participantes vão ao encontro dos provérbios e procuram o par que está
com o pedaço do seu provérbio. Se juntam e correm até o final do percurso de braço dado com
seu par, ao chegar no final vamos lendo os provérbios que se completaram na ordem de
chegada dos pares.


Pode-se variar com cores, letras, números, frases ou com o que mais sua imaginação permitir.


“Para muitos adultos a palavra brincar significa relaxamento, bagunça e nada de trabalho. Para
as crianças, entretanto, o brincar é uma exploração, resolução de problemas, descobertas,
investigação, fazer e fazer, e com muita freqüência é realmente um trabalho árduo!"
Através do brincar saudável, a criança aprende a se concentrar, persistir, criar, distinguir,
cooperar, lidar com o mundo material, com diversas situações e pessoas – tudo o que é vital
como base para o aprendizado posterior na época adequada.” (Janet Alkin)


23. PÃO LEMBRA...
Desenvolvimento:

Em roda um inicia dizendo
pão lembra (geléia)

e o seguinte completa...
geléia lembra (goiaba)...

E assim vai seguindo até o final da roda.
Quando chegar no final voltar a roda dizendo

eu disse goiaba porque ele disse geléia

eu disse geléia porque ela disse pão...

Em tempos passados, brincar era algo natural para a criança. Brincavam e ninguém se
preocupava com isso, mas cada vez mais a criança está perdendo a sua capacidade original de
brincar. Não podemos esquecer que brincar é algo inerente ao “ser” criança. Hoje em dia, as
nossas crianças estão sendo obrigadas a deixar a brincadeira de lado para estudar mais, fazer
computação, futebol, natação, inglês, enfim, completar uma agenda com compromissos de um
adulto em miniatura.



Algumas Dicas Importantes:


Quando você for dirigir qualquer atividade recreativa tente ser sociável, interaja
com todos, seja simpático, tenha senso de humor, seja maleável, tenha “jogo de cintura” e
tenha muita vivacidade.

Lembre-se, as crianças não gostam de “cara feia”. SORRIA e faça sorrir também.

Não eleja prediletos, respeite a individualidade, o ritmo e o “pique” de cada um.

Seja flexível e na medida do possível, aceite as sugestões das crianças.

Estabeleça uma comunicação clara, simples e direta.

Preste atenção no tom de sua voz, você deve ser firme e objetivo, deve transmitir
confiança e respeito, nunca medo e autoritarismo.

Esclareça as regras e normas das brincadeiras, das atividades e dos jogos antes de
começar, para evitar mal entendidos durante os mesmos.

Tenha paciência e não negue à criança contato corporal, atenção e carinho, afinal quem é
que não gosta de ser tratado com amor?

Incentive suas crianças, elogie sempre que possível, vibre com suas vitórias e conquistas,
ajude-as a superar e aceitar as perdas e os fracassos, faça com que elas e você se tornem
campeões nas brincadeiras e na vida!
24.
JOGO DA VELHA
Desenvolvimento:

Jogar o jogo da velha tradicional, só que as peças serão os participantes. Podendo variar com
objetos também, para isso devemos escolher dois grupos e ele construirão juntos as regras do
jogo.

Podemos jogar também com bambolês ou riscos no chão e caixas de fósforos, um grupo fica
com as tampas das caixinhas e o outro fica com a parte de dentro, e um grupo de cada vez joga
a caixinha, tentando acertar dentro do bambolê ou do traçado feito no chão;

“Os jogos permitem a troca de papéis, o aprendizado de se colocar no lugar do outro, de ver a
mesma situação sob ângulos diferentes. Brinca-se de decidir, escolher, comandar, trabalhar em
equipe, perder e ganhar. Tudo isso promove crescimento emocional e social, de forma agradável
e dinâmica.”.



25. MEUS PINTINHOS VENHAM CÁ
Desenvolvimento:
Esse jogo é muito divertido. Um participante será a galinha, um será a raposa e os outros serão
os pintinhos.

A galinha chama:

_ Meus pintinhos venha cá (três vezes)

e os pintinhos respondem:
_ Temos medo da raposa.

Na 3ª vez a galinha responde:
_ A mamãe vai ajudar.

Os pintinhos tentam passar pela raposa e a mamãe pode ajudar, os pintinhos que a raposa

conseguir pegar viram raposa e ajudam na captura dos outros pintinhos.
“Os jogos e os brinquedos participam do desenvolvimento de seu psiquismo, lhe permitirão imitar
seus irmãos maiores e os adultos, lhe acostumarão a ter paciência e mais tarde tolerância, além
da reflexão e da atenção, estimularão a imaginação, a memória e a linguagem. Em outras
palavras, ajudarão a formar sua inteligência, seu caráter e seu comportamento para o futuro.”
A sociedade, os pais, as escolas, os professores todos pecam em tirar da criança a própria
infância!

26. A CORRENTE
Essa brincadeira deverá ser feita em um local grande, como uma quadra ou um pátio, onde as
crianças deverão ter um espaço razoável para correr. Orientá-las para que tenham cuidado, pois
estarão correndo de mãos dadas.

Desenvolvimento:

Uma criança começa falando “olha a corrente que pega gente, quem tem medo sai da frente” e
sai correndo, quem ela for pegando vira corrente e sai junto falando “olha a corrente que pega
gente, quem tem medo sai da frente”, até a corrente ficar bem grande.

“O jogo é um elemento constante, que serve para despertar a capacidade do educando, criando
situações em que o individuo renda seu caráter e descubra sua alma, permitindo intenções
diretas e oportunas por parte do educador”.

C
27. JOGO DO ARMAZÉM
Desenvolvimento:
Um começa o jogo desafiando os demais assim:
Meu pai tem um armazém ele vende A (pensando em algo com A)
todos tentam adivinhar o que o pai dele vende, quem acertar será o próximo a desafiar a turma.
O ato de brincar é um processo criativo. O brincar é uma forma inicial de aquisição de
conhecimento.

28. QUANDO MEU NAVIO CHEGAR
“Sendo que o jogo propicia um espaço privilegiado na promoção de desenvolvimento e da
aprendizagem, os professores que trabalharem com a estrutura dos jogos infantis em seus
planejamentos, poderão tornar suas propostas de atividade mais adequadas e interessantes,
fazendo com que as crianças pequenas consigam analisar e entender melhor os fatos e
adquiram um melhor conhecimento a respeito do que está sendo proposta a elas”. (Gilda Rizzo)

Desenvolvimento:

Em roda, todos precisam ver todos, um começa dizendo “Quando me navio chegar eu vou...” e
faz um gesto, o próximo fala a mesma frase, imita o gesto e inventa outro gesto e assim vai até o
final.

Regra importante:

Ninguém pode falar só o participante que está fazendo seu gesto, mas podem colaborar
mostrando os gestos anteriores.

29. RODA DAS VOGAIS
Nos jogos há sempre um desafio interessante e vivo, fazendo com que a aprendizagem seja
natural e rápida. É necessário, no entanto, insistir que o importante é participar e não apenas
vencer, trabalhando uma atitude mais flexível diante dos desafios da própria vida

Desenvolvimento:

Cada participante fala a suas vogais no ritmo do grupo em roda, rodando e falando como os
índios.



30. CAÇA AO TESOURO
“Sendo que o jogo propicia um espaço privilegiado na promoção de desenvolvimento e da
aprendizagem, os professores que trabalharem com a estrutura dos jogos infantis em seus
planejamentos, poderão tornar suas propostas de atividade mais adequadas e interessantes,
fazendo com que as crianças pequenas consigam analisar e entender melhor os fatos e
adquiram um melhor conhecimento a respeito do que está sendo proposta a elas”. (Gilda Rizzo)

31.
DESCOBRINDO
Desenvolvimento:

Vamos dividir em 4 grupos. Uma pessoa de cada grupo vai ser vendada, cada grupo conversa e
combina um som que irá fazer para aquela pessoa que está vendada conseguir achá-lo.
Cada grupo tem que combinar um som diferente.

Primeiro um grupo de cada vez, faz o som combinado e a pessoa que está vendada tenta achálo,
em seguida todos os grupos juntos fazem seus sons e os quatro que estão vendados
precisão descobris onde está o som do seu grupo.

Finalizando...

É muito triste observar que hoje em dia as crianças estão desaprendendo a brincar.
Os pais, avós, tios, professores e as pessoas mais velhas em geral não tem mais “tempo”,
vontade ou paciência de ensinar as brincadeiras e músicas que aprenderam quando eram
crianças. Tudo isso faz parte da nossa cultura, que é muito rica, sem contar que foram passadas
de geração em geração e se não fizermos nada para mudar estaremos colaborando para que
essa tradição vá “morrendo” aos poucos.
Sem contar que criança que não tem a oportunidade de brincar, sofre mais cedo de doenças de
adultos, como depressão, obesidade, diabetes, stress e úlcera. E segundo apontam as
estatísticas do IBGE, vem crescendo assustadoramente o número de crianças portadoras
dessas doenças com menos de 12 anos de idade (que antigamente, eram encontradas somente
em adultos).
Criança que não brinca, desenvolve menos vínculos afetivos, não aprendem a lidar com a perda
e ficam mais sujeitas a se envolverem com drogas e violência.
É brincando que a criança descobre seus limites, se interage, se sociabiliza e supera
dificuldades com a experiência do acerto e do erro.
Brinque muito com suas crianças e você e elas serão muito mais felizes!



01
Como Brincar com as Nossas Crianças Gabriela Manzano Geraldini Antonangeli

Nenhum comentário:

Postar um comentário